A violência adolescente e as complexidades do agir

Disponibilizo aqui meu segundo artigo científico publicado no volume especial sobre a adolescência do periódico Interacções.

Este artigo é fruto de uma pesquisa multimetodológica com abordagem qualitativa e embasada pela psicanálise. Foi um trabalho realizado com adolescentes em conflito com a lei.

Artigo completo no site da revista:

http://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/3360/2687

Link para download em pdf:

http://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/download/3360/2687

Resumo

Considerando a violência como sendo o exercício da força sem levar em consideração alguém ou alguma coisa, pode-se afirmar que a adolescência é um período caracterizado por aspectos violentos. Não somente no que se refere aos casos de atuação desta, como também pela violência interna pubertária. O adolescente se vê diante de mudanças corporais, sociais e psíquicas. O corpo, outrora infantil e familiar, agora é púbere e estranho. Há também a revivescência do Complexo de Édipo e, como nos mostra Freud, a forma de lidar com o incesto é uma forma de lidar com a lei. Observa-se, ainda, falhas ansiogênicas no quadro de referência que poderá ser buscado pela via da atuação em outro lugar. Nesta pesquisa multimetodológica com abordagem qualitativa, foram realizados grupos focais e entrevistas semiestruturadas com adolescentes em situação de internação, de liberdade assistida e semiliberdade. Constatou-se que a violência protagonizada pelos adolescentes revela, principalmente, sua forma de defesa perante uma vivência de traumatismos e angústias. Providenciar suporte e apoio a estes adolescentes pode ajudá-los a se sentir mais seguros e, assim, diminuir a violência atuada por eles. A escola e as instituições de referência podem se constituir em um vínculo fundamental, instaurador de reflexão construtiva acerca das relações e dos atos cometidos.

Palavras chave: Adolescência; Violência; Psicanálise; Subjetividade.

Como citar (APA):

Gregório, G. & Amparo, D. M. (2013). A violência adolescente e as complexidades do agir. Interacções, 9, n. 26, p. 181-194.

Gregório De Sordi

Psicólogo, CRP 01/16979, mestre e doutor em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília. Foi professor e coordenador do curso de psicologia da UNICEPLAC. É editor associado da revista "Psicologia: Teoria e Pesquisa" (Qualis A1). Tem experiência profissional na área de saúde mental, psicanálise, psicologia clínica e avaliação psicológica. Atende, com enfoque psicanalítico, adolescentes e adultos em consultório particular localizado em Brasília-DF e atendimentos virtuais. Telefone: (61) 999425123

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.