Você sabe por que faz o que faz?

você sabe por que faz o que faz

Existe um experimento de psicologia (relatado por um professor) onde foram colocados cinco macacos em uma sala com uma escada no meio e um cacho de bananas em cima. Quando algum macaco tentava subir na escada, era jogado um jato de água em todos eles.

E aí, o que aconteceu?

Quando um macaco ia tentar subir, os outros o impediam batendo nele. Em seguida, retiraram a banana.  Resultado: continuaram a bater no que se encostava à escada.

Trocaram os macacos, um a um e toda vez que o novo macaco encostava na escada, acontecia a mesma coisa…

Chegou um ponto em que nenhum dos macacos ali presentes havia tomado o jato d’agua ou tinha visto a banana em cima da escada. Mas mesmo assim, a escada continuou sendo proibida e os outros macacos sempre atacavam aquele que tentasse subir na escada sem saber o porquê.

Mudaram as condições, mas não mudaram os comportamentos.

Viu como é difícil mudar algo de verdade?

Por isso alguns comportamentos parecem não fazer sentido. Usar terno e gravata no Brasil durante um calor de 40 graus (como está fazendo esses dias) é um deles. Por acaso você sabe por que é obrigatório morrer de calor e se salvar dentro de uma sala com o ar condicionado ligado no máximo?

Talvez para que as pessoas não deixem seu ambiente de trabalho… Eficaz, não?

você sabe por que faz o que fazMas é claro que não pensaram nisso quando impuseram esta lei social. Ela advém da incorporação de outras culturas, que possuem outras crenças, climas, etc. Lá, com certeza ela faz sentido, ou pelo menos já fez. A questão é que ao simplesmente incorporar este hábito, perdeu-se o sentido do mesmo. Ele deveria ter sido modelado à nossa realidade. Por este motivo, diversas pessoas acordam de manhã e utilizam roupas originalmente criadas para o frio no calor de 40 graus e umidade desértica .

E você, consegue ver algo em você que pode estar na mesma situação?

Quem sabe não é hora de experimentar de novo as comidas que você diz não gostar e só comeu quando criança…

(metáfora, por favor)

PS: O ministério da psicologia adverte: Há, é claro, diversos outros fatores (afetos, sentimentos, emoções, etc) que sustentam um comportamento. A intenção aqui é refletir sobre um.

Gregório De Sordi

Psicólogo, CRP 01/16979, mestre e doutor em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília. Foi professor e coordenador do curso de psicologia da UNICEPLAC. É editor associado da revista "Psicologia: Teoria e Pesquisa" (Qualis A1). Tem experiência profissional na área de saúde mental, psicanálise, psicologia clínica e avaliação psicológica. Atende, com enfoque psicanalítico, adolescentes e adultos em consultório particular localizado em Brasília-DF e atendimentos virtuais. Telefone: (61) 999425123

6 Comentários

  1. Realmente: Atitudes aprendidas em momentos de medo, stress ou sofrimento, embora tenham utilidade no momento em que foram introjetadas, podem se transformar em scripts, que, a longo prazo, são repetidos de forma inconsciente, levando a grande sofrimento. Infelizmente a identificação simples desse processo, embora alivie, nem sempre é suficiente para o desapego. Às vezes é necessário uma psicoterapia… Abraço, Gregório, e parabéns pelo blog.

    Responder
    • Excelente matéria, vou compartilhar. Tbm te desejo muitas felicidades hoje e sempre pelo dia do medico, Obrigada Amauri.

      Responder
  2. Muito interessante. O importante é saber que vc muda e outros que não querem mudanças, vão continuar sofrendo e sem as bananas. Parabéns pela postagem.

    Responder
  3. Mudanças são sempre muito difíceis, porém…muito necessárias. Mais fácil mudar a embalagem do que o conteúdo…Vale muito investir nisso !!!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.